terça-feira, 29 de junho de 2010

fuga da inspiração

Te procuro,
Te encontro,
Tento te agarrar e você foge.

Volto a te procurar,
Volto a te encontrar.
Quer saber, não vou te prender a força.

Fique se quiser,
Volte quando bem entender.
Tu és livre para ir e vir.

Mas se tu, inspiração, tiveres compaixão,
Agrade-me ao me ver, e às vezes,
Deixe-me te fazer palavra.

Saiba que você encanta.
Encanta até os lábios de quem te canta
E os ouvidos de quem te encanta.

Faço-te um apelo:
Junte-se aos tantos que te querem e mude minha vida,
Pois vivo a correr atrás de ti.

"Sentimentos..."

Os sentimentos que o meu coração concebe
são como as pinturas abstractas:
- Existem linhas que ligam aos pontos,
pontos que ligam ás linhas,a corações
e a cabeças partidas!

Lágrimas que tanto correram em vão
pela minha ideotice de te amar!
Coração que bombeou sangue
só para te oferecer a sinceridade de um amor!

Os sentimentos que o meu coração concebe
são também por vezes como pinturas impressionistas:
- Existem pequenos pontinhos que são capazes de formar
a mais bela e trágica das imagens!

domingo, 27 de junho de 2010

Não passam as dores........

"Não passam as dores, também não passam as alegrias. Tudo o que nos fez feliz ou infeliz serve pra montar o quebra-cabeça da nossa vida, um quebra-cabeça de cem mil peças. Aquela noite que você não conseguiu parar de chorar, aquele dia que você ficou caminhando sem saber para onde ir, aquele beijo cinematográfico que você recebeu, aquela visita surpresa que ela lhe fez, o parto do seu filho, a bronca do seu pai, a demissão injusta, o acidente que lhe deixou cicatrizes, tudo isso vai, aos pouquinhos, formando quem você é. Não há nenhuma peça que não se encaixe. Todas são aproveitáveis. Como são muitas, você pode esquecer de algumas, e a isso chamamos de "passou". Não passou. Está lá dentro, meio perdida, mas quando você menos esperar, ela será necessária para você completar o jogo e se enxergar por inteiro."

Martha Medeiros

Dançando com a Lua - Capital Inicial (Ao Vivo)

Você sabe esperar.....

Meus olhos te viram triste
Olhando pro infinito
Tentando ouvir o som do próprio grito
E o louco que ainda me resta
Só quis te levar pra festa
Você me amou de um jeito tão aflito

Que eu queria poder te dizer sem palavras
Eu queria poder te cantar sem canções
Eu queria viver morrendo em sua teia
Seu sangue correndo em minha veia
Seu cheiro morando em meus pulmões

Cada dia que passo sem sua presença
Sou um presidiário cumprindo sentença
Sou um velho diário perdido na areia
Esperando que você me leia
Sou pista vazia esperando aviões

Sou o lamento no canto da sereia
Esperando o naufrágio das embarcações

Quem sou eu?

Sou parte do tudo
O pedaço que é feito de nada
Sou aquilo que você tem mais medo
Por ser o que mais te agrada

Sou uma sombra sólida
Um caminho que não tem rumo
E quando você pensa me achou
É aí que sumo

Sou as lágrimas da tempestade
Com o choro de trovão
Sou quem te nega um olhar
Mas te entrega o coração

Sou mais do que você pensa
Mas menos do que realmente sou
Sou quem mais acerta
Por ser quem mais errou

Sou só, cheio de amigos
Acompanhado de solidão
Sou o que existe de mais real
Mas que é feito de ilusão

Sou uma peça nesse jogo da vida
Um leigo que sabe de tudo
Sou mais uma cara perdida
Em busca de paz nesse mundo.

(lorenzo)

Nikka Costa On My Own (tradução)

As vezes eu me pergunto onde eu estou
Quem eu sou, se eu me enquadro
Fingir é difícil em si
Aqui estou sozinho

Nós sempre estamos provando quem nós somos
Sempre buscando as estrelas do alvorecer
Para guiar longe e clarear minha casa
Aqui estou sozinho


Quando eu estou derrubado e me sentindo deprimido
Eu fecho os olhos e assim posso estar com você
Oh Baby seja forte para mim
Baby pertença a mim
Me ajude completamente, me ajude a precisar de você

Até o sol da manhã aparecer
Fazendo luz de todos os meus medos
Eu seco as lágrimas que eu nunca mostrei
Aqui estou sozinho


Quando eu estou derrubado e me sentindo deprimido
Eu fecho os olhos e assim posso estar com você
Oh Baby seja forte para mim
Baby pertença a mim
Me ajude completamente, me ajude a precisar de você


As vezes eu me pergunto onde eu estou
Quem eu sou, se eu me enquadro
Eu posso não vencer mas não posso ser derrubado
Aqui estou sozinho, sozinho

Abraços.

QUEM SOU EU?

Não posso falar quem sou usando apenas uma palavra
Nem mesmo uma única frase
As palavras que expressam quem sou não cabem neste espaço
Não sou nada
Mas ao mesmo tempo um monte de coisas.
Sou um pouco de alegria misturado com tristezas
Sou um pouco de dor
Um pouco de solidão
Sou um pouco do que os meus amigos me ensinaram a ser
O pouco do que o meus inimigos me fizeram aprender
Um pouco da minha família
Um pouco de religião
Ódio
Amor
Paixão
Sou um pedaço de mágoa e uma medida de perdão
Sou uma pessoa comum
Como qualquer outra
Simples
Porém com porções diferentes
Mostro meu sorriso quando é preciso sorrir
Mas...
Também choro nos momentos em que precisar.

Afonso Martins
Fonte(s):
Poeta do amor

Se fosse assim pedido: Como você se definiria?

Eu

Florbela Espanca

Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
Sou a crucificada... a dolorida...

Sombra de névoa ténue e esvaecida,
E que o destino, amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver
E que nunca na vida me encontrou!


Abraços e amor

Da cepa brotou a rama

sábado, 26 de junho de 2010

Os Paralamas do Sucesso - Meu Sonho (Som Brasil)

O meu sonho

Pode ser que meu sonho seja assim
Te dizer quase tudo que você é pra mim
O que quero, o que espero
Sonho em te ver aqui
Sem rodeio solto os freios
Canto o amor por ti
Se me calo, tenha claro
Que é por refletir
Nas minúcias das carícias
Que eu sonho em sentir
Ter teu gosto ver teu rosto
Feliz a me pedir
Mais carinho, mais promessas
Que eu sonho em cumprir.

Ao acaso

Leio e penso em tom intenso
Então me entrego
E digo a mim mesmo:
Hoje eu não te vejo
Ainda assim te mando beijos
Não me nego a te encontrar
Mas sempre rezo
Peço teu desejo

Já vai longe o dia
Em que eu me entregava ao choro
E nada via
Me anulei demais
Mas em dado instante
Despertei, pensei
Como é importante
O que o vento traz

Ao acaso
Não vê que a casualidade é uma força
Inesgotável
Se eu me atraso
Eu me entrego, baixo a guarda
E vejo meu querer ficar
Quase incontornável

Acabou....

Sim, acabou. Eu sei.

Terminou, como se nunca tivesse começado.
Nunca tivesse acontecido.
Não significou nada para você.
Não teve a mínima importância.

Tanto tempo, tanta estória,
tantos sonhos.
Perdidos.

Como pode ser tão insensível?
Como pode ser tão cruel?
Como pode ser tão mesquinho?

Sabia que, cedo ou tarde, tudo teria fim.
Apenas não imaginava que seria assim,
de modo tão brusco, tão pífio.

Você e seu prazer sórdido de me ver sofrer.
É isso o que você quer? Me ver exausta e envelhecida?
Sua ironia desprezível me enoja.

Sabe o que mais me incomoda?
Eu te amo.
Eu te amo perturbadoramente.
Provavelmente, meu coração cansado ainda te amará até o fim de minhas forças.

Você não soube me amar.
Iludiu-me e eu, apenas uma garotinha sonhadora e inexperiente,
acreditei.
Acreditei cegamente.

Nunca mais amarei.
Estou desiludida.
E a culpa é sua.
Você acabou com todos os meus sonhos infantis,
toda a beleza da minha inocência.
Você acabou comigo.

Charlotte H.

A VOZ DO CORAÇÃO

Se meu coração falasse!

Diria da ventura suprema de estar envolto em amor

Se meu coração falasse,
Diria quanto dói a saudade de um ex-amor...

Se meu coração falasse,
Diria quanto pesa a angústia de uma injustiça

Se meu coração falasse,
Seria o melhor poeta
Diria da beleza de uma rosa
Da paz de um sorriso infantil
Da graça de um beija flor.

Se meu coração falasse,
Provavelmente seria um arauto da parceria
Um profeta ensinando-nos o Paraíso
Um seresteiro, um poeta, um trovador!

Se meu coração falasse,
Certamente cantaria doces canções exaltando os casais...

Conversaria em linguagem própria com os animais
Diria versos às flores
Faria dueto com as águas do rio a correr
Diria carinhos ao Sol e às Três Marias...

Se precisasse da escrita para se comunicar
Escreveria colorido
Talvez em vermelho paixão...

Ou em prata que pegaria das noites de luar!

E quem disse que ele não arranjou um jeito de falar?

Diz te amo com meu olhar
Entoa ternuras quando me ponho a cantar,
Reveste-me de verdade crua quando estou a poetar...

Pena que minha voz é baixinha
E nem todos a podem ouvir!
Só os amantes possuem o poder de escutar
A doce e meiga voz do coração...

Privilégio dos amantes, então...



Abílio Pereira

A procura de amor........

amor Sem teu corpo suado junto ao meu , sem teus olhos fixados e cheios de vida frente aos meus , a vida perde o colorido , n tem graça, perde o sentido e o Sol brilha menos intenso . Sobrevivendo nessa loucura por estar longe do teu carinho e abraços , vejo q só o q tenho agora em minhas mãos , é o amor inesquecível q vivo , ao acordar , tds os dias , e ao deitar mesmo q sofrendo , por querer teus bjus denovo em minha estrada , no fim só restam minhas letras perdidas no espaço tempo virtual(surreal)

A noite te transmite algo bom

Anjo da noite

Apareces-me
como anjo da noite,
trazendo
teu beijo divino,
para o anjo lindo!

Conforto-me
com teu gesto de amor,
enviado de bem longe,
pelo teu coração,
como se estivesses
perto de mim!

E estamos!

Nesse momento,
percorremos a noite,
serenando
quem de nós precisa…

Regressamos
às nossas origens,
esperando pelo amanhã,
meu anjo da noite!

José Manuel Brazão

A noite....

O espelho negro de águas calmas nessa noite reflete apenas o vulto escuro de um dragão a voar solitário, em sua velocidade máxima, como se buscasse chegar logo a algum lugar.
Mas nessa noite o mar não espelha nenhuma luz, o ar não tem nenhum perfume. Não há estrelas nem nuvens no céu. A lua já não existe. Nessa noite não haverá chuva. Nem sequer os ventos trarão alguma novidade. Somente a criatura que voa no vazio se esforça para encontrar onde pousar e ter o seu descanso. Perdido de seus jardins, longe de suas terras. Não se atreve a se entregar às densas trevas daquelas águas tão frias e profundas. O silêncio é absoluto, a escuridão é total. A noite parece ser eterna...

A mulher bonita é aquela..........

: Do sorriso belo e cativante Da inteligência penetrante Da beleza interior resplandecente Do meigo e gentil coração Daquela que desperta um desejo de cuidado Da que guarda em si a força da vida Daquela que sabe amar. A mulher bonita é esta: Dos traços suaves e doces Da felicidade presente na face Daquela presença inesquecível que nos encanta Da que sabe, como poucas, conversar Da voz que exala gentileza Daquela sensível e delicada como uma flor Da que sabe ser ela mesmo. A mulher bonita, enfim, é essa: Do caminhar atraente ao olhar Do porte agradável e saudável Daquela que quando não sabe, sabe ouvir Daquela que sabe ser discreta Da que sem exagero, sabe chamar a atenção Da que quando chega, sem alvoroço, é notada Aquela, enfim, verdadeira no SER. Concordam? E você, se acha uma MULHER BONITA?

Tesão Desejos

Enquanto segues em frente,Deito-me malicioso em teu leito, Sentindo teu corpo quente:Diante das tuas mãos, tudo aceito...Roubo teus seios da tua roupa,Acariciando-os com intensos beijos,Deixando-te completamente louca,Abrindo-se para mim a Flor dos meus Desejos...Sou só desejo, sou todo teu...Beijo-te inteira com sofreguidão,Enquanto deixas-me totalmente nu, Provocando em meu corpo espasmos e gemidos,Embalo com lambidas teu tesão Até nos tornarmos um só em todos os sentidos...!(Aut:desconhecido)

A MORTE DE GARRETT

No doce arranco
Que o céu lhe abrira,
Garrett ouvia
Seus próprios carmes
De terno amor. E aos brancos lábios
Franco, improviso,
Lhe veio um riso
Em vez de angústias,
Em vez de dor.
Morreu poeta,
Ledo e gostoso:
Morreu ditoso,
Cingido, ornado
Dos cantos seus. Lá foi com os anjos,
Que o inspiraram,
Que o sublimaram,
Cantar saudades
Ao pé de Deus.
Cantai, donzelas
Da pátria dele,
Cantai aquele
Hino de amores,
Hino gentil.
Ouvi que entoam
Seu hino etéreo
Em som funéreo
As belas virgens
Do meu Brasil.


Junqueira Freire

A língua lambe

A língua lambe as pétalas vermelhas da rosa pluriaberta; a língua lavra certo oculto botão, e vai tecendo lépidas variações de leves ritmos.E lambe, lambilonga, lambilenta,a licorina gruta cabeluda,e, quanto mais lambente, mais ativa,atinge o céu do céu, entre gemidos,entre gritos, balidos e rugidos de leões na floresta, enfurecidos.(Cecília)

A FONTE

Uma revelação no som da flor que se abre
Em meu interior quando encontro meus olhos
Com os seus. Transforma-se a linha do tempo
No segredo da eternidade e ouço a flauta soprar
Em meus ouvidos a melodia da verdade. Silêncio
Luminoso de te contemplar. Sou as ondas do mar
Trazendo o mistério de te amar. Navego na imensidão
Do teu Ser e consagro o cálice da paz
Ao beber contigo da fonte da vida.
(12/06)

A CIDADE

Disseste: “Irei à outra terra, irei à outro mar. / Outra cidade há de haver melhor que esta. / Cada esforço meu é uma condenação já ditada; / E meu coração está – como um morto – enterrado. / Até quando ficará minh’alma nesta melancolia? / Para onde quer que olhe, / vejo aqui as negras ruínas de minha vida, / onde passei tantos anos que arruinei e perdi.” / Não haverá novas terras, não verás outros mares. / A Cidade te seguirá.Vagarás pelas mesmas / ruas. E nos mesmos bairros envelhecerás; / E entre as mesmas paredes irás encanecendo. / Sempre chegarás a esta Cidade. Para outra terra – não esperes – não tens barco, não há caminho. / Como arruinaste aqui a tua vida, / neste pequeno recanto, assim / em toda a Terra a puseste a perder. (Kavafi

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Na minha vida nada mais é definitivo.

Depois de ter sido literalmente transformada, a duras penas, pelo exercício de vive.
Depois de ter consciência de todos os meus erros e equívocos consciente e inconscientes.
Depois de ter visto a deterioração da personalidade, da familia, da sociedade e da natureza.
Depois de ter acompanhado no processo de tempo e espaço o retrocesso da racionalidade humana.
Depois de tudo isso e muito mais...

Eu percebo que não tenho mais a humildade de voltar atrás, eu passei a "andar de fasto" que no sentido mineiro é o mesmo que andar de costas, já "ando de fasto é envergonha".

É vergonhoso se auto-denominar "Ser Racional", todo aquele que tem a humildade para analisar com seriedade a condição humana no século XXI, perceberá, a humanidade parece andar como se fosse para a frente, mas, na verdade, eu sinto que estamos é voltando para trás

Physis

Pedir-te Algo? Jamais!

Jamais te pedirei para voltar,
Fazer-te renascer das cinzas
Que o fogo da tua insanidade
Ateou e te consumiu voraz.
E nem as gotas d’ orvalho
Choradas sobre ti e por mim
Puderam extinguir tal ódio.
Somos o nada que jaz inerte.

Que paixão nos faz, ainda, sentir
Esse amor falsamente jurado?
Porque te devo sentir amada
Se o que sinto é átomo amorfo?
Pedir-te para voltar seria um erro
Que prenderiam lágrimas vãs
Nos meus e teus olhos descrentes.

Não voltarei, jamais! Não libertarei
Teus fantasmas loucos de ciúme
Que te submergiram em pesadelos
Do abandono de tua alma à traição.
Se te pedisse para voltar, que dores
Renovariam as suas tenazes ferozes
Do ciúme, da mágoa, da descrença,
Torturando-me o meu mais íntimo?

Reacender a paixão, é-me impossível,
Nada resta para activar fogos fátuos,
Nem mesmo meu corpo envelhecido
E meu coração há muito s’ esfumou.
Todas as flores são belezas perecíveis
Diminutas no tempo e exíguas da vida,
Qu’ enganam os sentidos e os sufocam
No seu egoísmo exibicionista, morrendo.

És resto de matéria orgânica duma flor,
Porcelana lançada ao solo, quebrada,
Jóia desgastada de riqueza lapidada,
Quem te quer e te pede para voltar?
És texto linear de inacabado poema,
Uma falsa musa, vulto sem espírito
Que vagueia gemebundo pela mente
Do escriba que não te deseja mais.

Nunca foste essa criança dita inocente
Que me libertasse partículas d’ amor
Capacitadas d’ osmose e de união
Perene de nós, verdadeiros amantes.
Foste apenas uma fornalha faminta
D’ ilusões, de fantasias e quimeras,
Foste a fornalha diabólica onde eu
Me consumi, escravo, por inteiro.

Não voltarei jamais, nem sequer pedir,
Aos teus encantos fúteis e ardilosos,
Que m’ embriagaram de mil conjuras
Perpetradas por ávidas hárpias como tu.
E os grilhões que a elas nos prenderam
Foram por ti moldados no ferro rubro
Que cravaste em mim impiedosamente
Surda a gritos lancinantes de meu amor.

E, se um dia, tomares a insanidade
Que te acometeu de ciosas vilanias,
Em desculpa das tuas maquinações
Reconhecendo que nunca amaste,
Que instigastes espias e enredos,
Que me apelidaste de vil culpado,
Sentenciado, executado, sem defesa,
Perdoar-te-ei, mas nunca a mim.

E, se um outro dia, reconheceres
A derrota da tua infame cobardia
Sediada do veneno da suspeição,
Na imputação dos mais vis pecados,
Com a tua permissão e aplauso,
Jurei vinganças mil. Consumiam-me!
A indiferença é a benção final.
Perdoar-te-ei, mas jamais a mim!

Erraste em desejar-me submisso
Ao desejo do momento sonhado,
Erraste ao cravar-me de punhais
Envenenados pelas tuas serpentes
Aliadas por dores e partos suspeitos.
Se disseres: “errei, também, perdoa”
Perdoar-te-ei. Cedo, coração vazio,
Ao teu pranto, mas não me perdoarei.

Não! Não vou voltar, jamais sequer pedir!
As feridas em mim lavradas por ti, sádicas,
Sem clemência no teu silencioso egoísmo
Sararam contra todas as expectativas.
O amor que te mendiguei, e me negaste,
Foi-me ofertado por mulher mais pura,
Sem poemas, ardis, cuja dedicação
É bálsamo dessa cura. A ti, não voltarei!


João Loureiro
(Triste Poeta)

Um beijo

Qual foi o último momento......que vc sorriu..?

Nada sei....
Nem sei por que, te gosto tanto assim.
Tanto que passo noites sem dormir
pensando em ti.
Observo a lua e as estrelas
imagino ver teu rosto refletido
no brilho fulgurante delas

Nada sei...

Só sei, que te amo!
Muito mais, que eu queria amar.
Sei apenas que te busco, te caço
em tudo ao meu redor...

Você está, no ar que eu respiro
sinto teu cheiro, no perfume das flores
tu és a melodia nas músicas que ouço
a intensidade da cor no azul do mar...

Nada sei...

Mas, sei que devo aceitar
apesar de nada saber...
Sei que te amo demais!

RECANTO PACIFICO

Ter junto à porta
Um lugar acolhedor;
Uma horta que tratas com amor;
Um pequeno recanto
Onde nos podemos entreter
E encontrar o encanto
De colher
Um pouco da natureza;
Ter um pequeno jardim
Que nos encha com beleza
E ponha fim
À nossa tristeza;
Onde possamos trabalhar,
Mexer com a terra
E encontrar,
Nesta guerra,
Um pouco de paz,
Através de alguma calma;
Sendo, assim, capaz
De tranquilizar a alma;
É uma grande bênção,
Que devemos agradecer,
Em oração
E acolher
Com satisfação!...
Fonte(s):
M. Piçarra

Em seus olhos...

Em Seus olhos
Somente eu encontro paz
Você é meu destino
E não há como mudar

Vou Te amar cada dia
Enquanto eu viver
Não vou Te esquecer
Nem o céu, nem o mar
Nada poderá nos separar...

Você é tudo que eu preciso
Você é o meu céu, meu paraíso...

Onde fica,...o seu paraíso..?

Olho à minha volta...não vejo ninguém...
Fecho os olhos...tudo calmo e sereno.
Só o vento vai e vem...
Um vazio angustiante...
Nada de novo...
Quero gritar,
Quero correr,
Chorar...
Sair daqui por um instante...
Talvez para um lugar distante...
Faz-me Sonhar,
Preciso acreditar...
Que existe um paraíso aonde ir dar,
Que existe o lugar sonhado
Onde possa naufragar
Talvez um lugar encantado...
Onde possa viver e sorrir
Diz-me o lugar aonde ir...?
Diz-me como partir...?
Para um lugar sonhado
Chama-me...que eu quero ir!!!


http://www.youtube.com/watch?gl=BR&v=5nqeqtvkAW4

PALAVRA

Deve ser dita na ocasião certa
Ou continuar por pronunciar,
Pode ser uma simpática oferta
Ou, simplesmente, envenenar;

Depende da ocasião e do lugar,
Há que avaliar o que vais dizer,
Porque pretendes aconselhar,
Terás que te examinar e rever

E assumir a, acertada, decisão,
Para que não haja possibilidade
De alguma ou qualquer confusão

E assim, na verdade e de tua lavra,
Acabarás fazendo boa aplicação
Da boa e inestimável, palavra!...
Fonte(s):
M. Piçarra

Amor e Paixão!

Como é lindo o teu Amor! – é vida...
Como é quente a tua Paixão! – é chama;
É o alimento da minh’alma que derrama...
É meu sangue que escorre... sem saída.

É o meu jardim e minha alva florida;
É o ardor, o fogo que me inflama...
Quando aos ouvidos diz que me Ama,
Em voz rouca, baixinha e estremecida:

O suor de teu corpo é o meu vinho,
É a minha fonte de água iluminada...
E a tu'alma, é a luz do meu caminho...

Sem o langor do teu colo não sou nada.
A tua alcova cheirosa é o meu ninho...
E o meu ardente coração, é a tua morada!

(Dolandmay)

Quem melhor te seduz,....as palavras ou as atitudes...?

Olhos fechados
Prá te encontrar
Não estou ao seu lado
Mas posso sonhar
Aonde quer que eu vá
Levo você no olhar
Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Não sei bem certo
Se é só ilusão
Se é você já perto
Se é intuição
E aonde quer que eu vá
Levo você no olhar
Aonde quer que eu vá
Aonde quer que eu vá...

Longe daqui
Longe de tudo
Meus sonhos vão te buscar
Volta prá mim
Vem pro meu mundo
Eu sempre vou te esperar

Aonde quer que eu vá...

Palavras nem sempre são necessárias...mas um sorriso sim...

Gosto quando te calas

Gosto quando te calas porque estás como ausente,
e me ouves de longe, minha voz não te toca.
Parece que os olhos tivessem de ti voado
e parece que um beijo te fechara a boca.

Como todas as coisas estão cheias da minha alma
emerge das coisas, cheia da minha alma.
Borboleta de sonho, pareces com minha alma,
e te pareces com a palavra melancolia.

Gosto de ti quando calas e estás como distante.
E estás como que te queixando, borboleta em arrulho.
E me ouves de longe, e a minha voz não te alcança:
Deixa-me que me cale com o silêncio teu.

Deixa-me que te fale também com o teu silêncio
claro como uma lâmpada, simples como um anel.
És como a noite, calada e constelada.
Teu silêncio é de estrela, tão longinqüo e singelo.

Gosto de ti quando calas porque estás como ausente.
Distante e dolorosa como se tivesses morrido.
Uma palavra então, um sorriso bastam.
E eu estou alegre, alegre de que não seja verdade.

Pablo Neruda


abraços e amor