quarta-feira, 2 de novembro de 2011

“Tenho medo do futuro, medo do que me aguarda, talvez esteja delirando por motivos incompreendidos, talvez esteja me corroendo por dentro por assuntos inacabados. […] Mas é o óbvio que me atormenta, estava ali na minha frente a verdade, eu tinha a certeza absoluta de que era um presente incógnito, estava ali na minha frente o amor, mas a mentira me devasta.” (abismopoético)

Nenhum comentário:

Postar um comentário