sábado, 20 de dezembro de 2014

Acho que nem sempre colhemos o que plantamos. Eu por exemplo, sou mestre na arte de colher o que não plantei. Essa minha mania de acreditar nas pessoas, na vida e em suas providências, me deixa vulnerável demais. Planto amizade, colho ingratidão. Planto sorriso, colho indiferença. Planto saudade, colho orgulho.
Olha, por mais bola pra frente que sejamos, tem hora que cansa. Aquela vontade de jogar pro alto o que não acrescenta. Aquela saudade de nada, sede de estrada sem rumo. Ando preferindo desconversar, ser indiferente com o descaso. Não saboreio mais desamor.
Se a gente colhe mesmo o que planta, eu não sei, mas de uma coisa não abro mão: eu me recuso a amargar ingratidão, metades e incertezas.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Ótima Sexta-feira á todos!!!!

Não chore pelo que você perdeu,
lute pelo que você tem.
Não chore pelo que está morto,
lute por aquilo que nasceu em você.
Não chore por quem te abandonou,
lute por quem está a seu lado.
Não chore por quem te odeia,
lute por quem te quer feliz.
Não chore pelo teu passado,
lute pelo teu presente.
Não chore pelo teu sofrimento,
lute pela tua felicidade.
Não é fácil ser feliz,
temos que abrir mão de várias coisas,
fazer escolhas e ter coragem de assumir
ônus e bônus para ser feliz.
Com o tempo vamos aprendendo
que nada é impossível de solucionar,
apenas siga adiante com quem quer
e luta para estar com você.
Se engana quem acha que a riqueza e o status atraem a inveja...
as pessoas invejam mesmo é o sorriso fácil,
a luz própria,
a felicidade simples e sincera
e a paz interior...
[Papa Francisco ]

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Prefiro ser rotulada de "grossa" por alguns, do que pagar de santa em troca de atenção. Prefiro não ser meiga do que migalhar tapinhas nas costas. Sou livre sendo a "bocuda", incomodo meio mundo por isso, mas não me anulo em troca de prestígio. Sou feliz nesse meu mundo desvairado. Enxergo a cada um, antes de qualquer coisa, como ser humano, mas pena que nem todos pensam assim. Por isso me enojo de gente covarde. Tenho preguiça de gente que rasteja, que aponta. Gente melancólica, de alma abafada, de um vazio sufocante... me cansa. Gente que espalha segredos, que puxa tapetes; gente que não lembra que o outro tem sentimento. Não lido bem com quem vive colocando culpa na inveja. Não engulo as "superioridades" que vejo. Odeio superficialidades, tenho medo de quem "ignora" demais. Está tudo muito cansativo, pessoas infladas, egos gritantes. É muita gente vazia, para um mundo tão cheio de vida.

domingo, 14 de dezembro de 2014

“É por isso que chamamos as pessoas de “ex”, acho. Por que os caminhos se cruzam no meio e acabam se separando no fim. É muito fácil ver esse “x” com uma anulação. Mas não é, por que não tem como anular uma coisa assim. O “x” é um diagrama de dois caminhos.”
John Green

domingo, 7 de dezembro de 2014

Talvez quem está ao teu lado não mereça PERDÃO, mas você com certeza merece PAZ... Por isso, PERDOE SEM RANCOR!

Dias e Dias.
Não é que as pessoas sejam absolutamente más ou boas, é sim que uns são muito mais covardes e inseguros que os outros, estes mais bem resolvidos. A vida é um lugar interessante, geralmente a criança é resolvida; resolve que o mundo pode ser um lugar lindo, parte a fazer o que acha certo, mesmo sem ainda entender o que é isso, começa a ser sincero quando ninguém quer ser, olhar para onde ninguém quer olhar e rir de coisas que achamos engraçadas, mas, convenientemente, não se pode mais rir delas.
Fato: quando os pequeninos tem aquele sentimento de egoísmo, de querer mais atenção que o outro ou até de achar o brinquedo do amigo mais bonito, aquela “invejinha”; mas quando somos novos temos sonhos e acreditamos muito no poder que temos de conseguir cada um deles.
Um dia a gente vira adolescente, começa aquela fase do corpo a mil, de querer dar vazão aos sentimentos: um amor eterno por dia e o mundo todo para mudarmos. Que fase incrível! Quase tudo nos parece errado, menos nós mesmos: somos gigantes e podemos fazer tudo diferente.
O gigante para de crescer, começa a ficar pequeno, mal resolvido e muitas vezes aquele sentimento de que o mundo era injusto e poderia ser um lugar melhor, se transforma no seguinte pensamento: “o meu mundo é injusto, e devo fazer qualquer cosa para que ele fique melhor.”. Viramos Adultos.
E adultos, nos acovardamos com o mundo. Não todos, é verdade, mas uma parte assustadoramente grande, para de ligar para ética e moralidade. Faz o sentimento de justiça virar o de egoísmo. A pessoa começa a partir da premissa de estar acima do bem e do mal, e aqueles que não o entendem, ou são invejosos ou simplesmente não sofreram tanto para entender o porquê de se perder os princípios que norteavam o passado.
Como disse, ninguém é absolutamente bom ou mal, apenas uns são mais covardes e outros mais bem resolvidos. Vejo as pessoas de minha geração, todos mudamos, e mudamos para ser exatamente iguais as pessoas que criticávamos. Em alguns casos, criticávamos mal, em outros estávamos bem certos.
Os resolvidos, acertaram, podem ou não estar ricos, mas certamente encontraram em si mesmos o desejo de viver em um lugar melhor.
Os covardes, ansiosos por reconhecimento, também se encontraram em si mesmos. Mas eles descobriram a vontade de ter um mundo melhor para sí e ficam por aí dizendo que querem um mundo melhor para todos.
Um dia, se Deus assim quiser, vou ficar velha, desejo que quando a Velhice bater na minha porta, possa olhar para ela e dizer: “fiz o que acreditava ser certo e não o que seria mais fácil, fiz mais coisas boas do que ruins; pode entrar, quando você for embora e a Morte vier, não sei se a ela vou servir uísque, vinho ou água de torneira, mas o quer que eu despeje naquele copo, será furto do meu suor. Não da minha covardia.”